domingo, 22 de dezembro de 2013

Assembleia Municipal de Almada - Partido Comunista chumba Feira do Mar na Costa da Caparica


  Assembleia Municipal Almada Tomadas de posição do CDS-PP*

Decorreu nos dias 18, 19 e 20 de Dezembro, na localidade do Feijó, a segunda sessão da Assembleia Municipal de Almada (AMA) do mandato 2013/2017, onde o CDS-PP pelo Deputado Municipal António Pedro Maco apresentou um Projecto de Recomendação.

No Período Antes da Ordem do Dia, o CDS-PP apresentou à assembleia um Projecto de Recomendação onde recomendava à Câmara Municipal de Almada (CMA) que criasse, promovesse e tomasse toda as diligências necessárias para que se realizasse na Costa da Caparica todos os anos uma Feira do Mar onde estivesse representado todo o sector que directa e indirectamente dependa do mesmo, à semelhança de outros festivais e feiras que ocorrem por esse país fora e que atraem milhares de visitantes aos certames.

Mais uma vez, a maioria comunista votou contra a proposta do CDS-PP e, para não variar, com argumentos que voltam a roçar o ridículo e incompreensível. Afirma a bancada do partido comunista que vota contra pois, a assembleia municipal não é nenhuma empresa de eventos(!). Argumentos como estes, se não fosse uma oportunidade perdida para o concelho, tinham entrada directa num anedotário político nacional a juntar a outros que já nos habituou o PCP na AMA.

Lamentavelmente, o concelho e a Costa da Caparica, perdem mais uma vez, a oportunidade de ver a cidade com um evento anual que traria um enorme desenvolvimento à Costa da Caparica, tal como exemplo a Festa da Sardinha em Portimão, o Festival do Marisco em Olhão, ou a Feira do Chocolate em Óbidos, só para deixar alguns exemplos comparativos, e que os municípios souberam muito bem explorar e reverter em favor da sua economia, dos seus produtos locais e das suas gentes.

Em Almada o sectarismo bacoco e oportunista do Partido Comunista, impede que o mesmo evento seja realizado. 
Perde o sector turístico da freguesia e do concelho, perde a economia local, e perdem todos aqueles de quem de uma feira desta envergadura veria o seu negócio rentável. 

A Costa da Caparica, infelizmente, é o espelho do desinvestimento, do esquecimento e do sectarismo cirúrgico da câmara de Almada para com a freguesia que sempre rejeitou o partido comunista para comandar os seus destinos. As potencialidades da Costa da Caparica, não só naturais e paisagísticas, mas também a sua situação geográfica e a força e persistência das suas gentes, leva a que um evento com esta importância que é o Mar, fosse benéfico para o investimento, atracção e fixação de pessoas e bens.

Vamos continuar, por incúria e falta de visão estratégica por parte da CMA, a ver os almadenses a deslocarem-se para outros pontos do país, nomeadamente o Algarve, tal como os potenciais visitantes e turistas da capital, para usufruírem deste tipo de certames que muita gente tem atraído e muito bem tem feito aos municípios onde eles se realizam.

Já em mandato anterior na Assembleia de Freguesia da Costa da Caparica, o representante do CDS-PP fez aprovar uma moção onde se pretendia a realização da Feira da Agricultura na Costa da Caparica, o que, até ao momento, não temos qualquer informação sobre o seu desenrolar. 

O CDS-PP não só denuncia a falta de exploração dos recursos humanos e naturais da Costa da Caparica, como continuará a pugnar pelo seu desenvolvimento sustentável e duradouro contrastando com projectos megalómanos e mal planeados de custos elevados e quase sem retorno practico, como tem sido o trágico Pólis da Costa da Caparica.

De realçar que além do voto contra por parte do partido comunista, o PAN, que normalmente só usa o seu direito de eleito nas votações, mas em Democracia é assim e temos de respeitar, o Bloco de Esquerda, este último sem uma razão plausível afirmando que o CDS-PP quer é festas(!), mais uma vez a Democracia e a opinião alheia tem de ser respeitada, tal como o Partido Socialista onde se inclui o Presidente da Junta de Freguesia da Costa da Caparica, abstiveram-se, permitindo que os votos da bancada da CDU chumbasse a proposta do CDS-PP. A Bancada Municipal do PSD juntou-se ao CDS-PP e deu o seu voto favorável.

*a restante informação sobre a sessão da mesma assembleia estará disponível agora em Janeiro na Revista Online da Concelhia do CDS-PP "Almada Popular"

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Projecto Almada a Sorrir - CDS-PP Almada aposta na Saúde



O CDS-PP tem como proposta a constituição de protocolos e parcerias entre a câmara e as demais instituições do sector da saúde que possam contribuir para um melhor bem-estar e saúde dos almadenses. 
Em concreto a proposta abrangeria os mais desfavorecidos, entre crianças, jovens em idade escolar e idosos com mais carências economicas para que não ficquem privados de uma saúde oral condigna. A mesma podia passar por benefícios fiscais para as entidades de saúde envolvidas ou mesmo cheque-comparticipação para que todos possam ter um acesso à saúde mais rápido e em condições de recurso promovendo ao mesmo tempo a dinamização do sector e a sua promoção no concelho.

O CDS-PP tem Respostas

Pelo Pelouro de Saúde da Concelhia do CDS-PP Almada

terça-feira, 22 de outubro de 2013

IV SEMINÁRIO ANUAL CDS-PP ALMADA 2013


Irá realizar-se no dia 30 de Novembro o IV Seminário Anual CDS-PP Almada 2013, este ano com o tema a Constituição da República Portuguesa. A mesma terá lugar na Pousada da Juventude de Almada, sábado, dia 30 de Novembro.

Programa e mais informações para breve.

Organização: Comissão de Eventos da Concelhia do CDS-PP Almada 

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

CDS-PP Almada defende verba do Orçamento de Estado para a Freguesia da Trafaria/Caparica


O CDS-PP em Almada defende que o próximo Orçamento Geral do Estado deve conter uma verba destinada à construção do quartel da GNR da Costa da Caparica, como também uma verba destinada à conclusão das obras da Escola Secundária do Monte da Caparica.

No que concerne a esta última, é já do conhecimento público, as dificuldades e desconforto que quer alunos quer professores têm em termos de falta de condições condignas para a realização das suas aulas quer em segurança, condições de higiene e conforto. De lembrar, que o problema surgiu com o fracassado e despesista programa Parque Escolar que não permitiu que as obras naquela escola fossem concluídas ficando inutilizado muito equipamento, que muita falta faz ao meio escolar. A situação já tem sido alvo por parte da JP Almada que terá mesmo reunido com o Secretário de Estado da Educação João Casanova, onde mostrou uma enorme preocupação com a espera na resolução deste impasse. Segundo consta, a referida escola, está já referenciada como prioritária para que, logo que possível, veja resolvida a sua situação.

Também com o secretário de estado, mas da Administração Interna, já terá estado a concelhia do CDS-PP de Almada, onde demonstrou a sua preocupação na resolução e concretização do novo e necessário quartel da GNR para a freguesia da Trafaria/Caparica, há muito esperado e, como parece, com algumas incongruências entre a Câmara Municipal de Almada e o Ministério da Administração Interna. 

A existência de inúmeros pólos de ensino, como o universitário, pólo empresarial e mesmo sector de serviços, tal como as características sociológicas e muito específicas, urbanas e mesmo rurais, levam a que a necessidade da existência, há muito esperada, de um posto da GNR na freguesia agora alargada, seja uma prioridade. 
Tendo em conta que as questões de segurança potenciam o bem-estar, investimento e atracção de pessoas e bens para o desenvolvimento da localidade, o CDS-PP Almada defende que o diálogo entre as entidades responsáveis pela sua resolução seja o mais profícuo e concertante possível, e que esteja contemplada uma verba especifica no Orçamento de Estado para 2014 para a construção do imóvel destinado a instalação dessa força de segurança que tanta falta faz na freguesia.

De realçar, que o Grupo Municipal do CDS-PP, tendo em conta a preocupação com a segurança de pessoas e bens no concelho de Almada, apresentou um Projecto de Deliberação na Assembleia Municipal de Almada onde propunha a instalação de vídeovigilância, onde estaria incluída a respectiva freguesia. 
A mesma foi chumbada com os votos do partido comunista.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Inequivocamente na defesa das Terras da Costa (Costa Caparica)

O CDS-PP Almada sublinha que continuará de forma firme e convicta, a defender o património histórico, a paisagem natural e agrícola, tal como a defesa da paisagem protegida no concelho de Almada

Na sua defesa estão as Terras da Costa que a concelhia de Almada continuará inequivocamente, a defender tal como o seu representante na Assembleia Municipal de Almada onde o Grupo Municipal do CDS-PP defendeu quer durante os quatro últimos anos de mandato quer já anteriormente onde esteve sempre sem reservas algumas, ao lado dos agricultores contra a intenção da Câmara Municipal de Almada com a cumplicidade tímida da restante oposição, de construir uma estrada acabando com paisagem protegida, enviando centenas de pessoas que têm o seu sustento na agricultura para o desemprego, e arrasar com um valiosíssimo património histórico-cultural-natural que muito orgulham os caparicanos e os almadenses.

Na Assembleia Municipal, o CDS-PP continuará com firmeza ao lado dos agricultores e denunciará as tentativas ou ousadias por parte desta nova maioria comunista para atentar de novo, contra a propriedade privada e postos de trabalho.

Como o respectivo vídeo testemunha, estará o CDS-PP atento a que se repitam atrocidades como as testemunhadas em Maio de 2010 onde fiscais da Câmara Municipal de Almada apoiados pelas forças de segurança invadiram ILEGALMENTE (a Câmara Municipal de Almada foi condenada em Tribunal pelo crime de esbulho violento ao invadir as Terras da Costa em Maio de 2010, tendo sido condenada a reparar os danos acusados inclusive a pagar indemnizações que, até ao presente, não foram pagas num total desrespeito pelos tribunais e pelo estado de direito) os campos de cultivo, acabando por destruir os mesmos com elevados prejuízos humanos e materiais.

O CDS-PP através do seu Grupo Municipal tal como o agora líder da bancada parlamentar do partido na Assembleia da República Nuno Magalhães, foram os únicos que, quer no mesmo dia quer continuadamente, se mantiveram na defesa das Terras da Costa.

O CDS-PP continuará ainda a defender a criação de condições para que possa ser criado o Parque Natural da Costa da Caparica, proposta aliás, já defendida no seu Programa Eleitoral "Almada Metropolitana"

O Pelouro Ambiente, Agricultura e Pescas do CDS-PP Almada


sábado, 5 de outubro de 2013

ECALMA com actividade fora do "normal"

ECALMA com muito pouca calma

A Empresa de Estacionamento e Circulação de Almada, denominada e conhecida pelos almadenses como ECALMA, teve com certeza, das semanas mais movimentadas que há memória desde a sua constituição. Desde segunda feira, que é visível por todo o concelho uma actividade fora do "normal" por parte de fiscais e reboques por toda a cidade num corrupio que há muito não se via. 

Coincidências ou não, há alguns meses que não se via tamanha actividade por parte da mesma, tendo o fiscais da empresa praticamente desaparecido das ruas de Almada, os reboques também mal se viam a circular ou a dar uso à sua finalidade, desafiando mesmo o cidadão a solicitar um relatório à ECALMA sobre o número de veículos multados e rebocados durantes os últimos 6 meses.

Não questionamos aqui a função, os deveres e a missão que uma empresa de estacionamento tenha dentro das suas competências e atribuições, questionamos sim, é a ligeireza da sua actuação, condicionada quiça, por período eleitoralista, questionado-se assim, a (pouca) ética oportunista por parte dos seus administradores onde mais uma vez, enganam os munícipes como motivos e propósitos eleitoralistas.

O CDS-PP está à vontade para opinar sobre o assunto e criticar este tipo de actuação pouco transparente, pois continha no seu Programa Eleitoral 2013 Almada Metropolitana, a não só a extinção da ECALMA, como mesmo a extinção de todos o estacionamento pago em parquímetros, nomeadamente na Costa da Caparica, onde arrasa por completo o já de si, pouco comercio que tem diminuindo consideravelmente o número de visitantes à cidade, como desde sempre foi contra a sua constituição, e não apenas uma remodelação das suas competências e atribuições, passando os seus funcionários para um corpo de Polícia Municipal que melhor e mais eficientemente fizesse valer as necessidades da população de Almada.

O CDS-PP em Almada continuará a pugnar pela extinção da mesma até porque trata-se de uma empresa que sendo mal gerida dá imenso prejuízo em termos financeiros não se tendo visto ainda um saldo positivo na sua contabilidade final onde acabam por ser os munícipes a pagar indirectamente (mais) uma taxa para cobrir a má gestão desta empresa municipal de estacionamento.

Exigimos rigor e transparência quer nos gastos de dinheiro público que na finalidade dos impostos dos munícipes

Estaremos atentos

domingo, 22 de setembro de 2013

DISCURSO DE FERNANDO SOUSA DA PENA NA APRESENTAÇÃO DA CANDIDATURA


POUSADA DA JUVENTUDE, 24 DE JULHO

Caro Pedro Mota Soares, Vice-Presidente do CDS e insigne Ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social.

Caro Nuno Magalhães, Presidente do Grupo Parlamentar e Presidente da Comissão Política Distrital de Setúbal do CDS.
Caro João Viegas, Deputado do CDS eleito pelo Círculo de Setúbal.
Caro António Pedro Maco, Presidente da Comissão Política Concelhia de Almada do CDS.
Estimados convidados.
Caros colegas de candidatura ao Município de Almada.
Mãe.
Queridos amigos.

Começo por agradecer a vossa presença neste início de viagem rumo aos Paços do Concelho, à Assembleia Municipal e às Assembleias de Freguesia do Município de Almada.

A nossa presença simboliza a determinação de quem acredita poder contribuir com qualidade para a construção do bem comum. De quem sabe que os ventos de mudança também chegarão a Almada.

De quem não se resigna à mediocridade e ao medo.

Atravessamos tempos difíceis. Que não nos devem paralisar. Que não nos devem desmobilizar.

A crise que o país sofre exige de cada um de nós a melhor contribuição que possa dar. Também do nosso trabalho diário depende a resolução dos problemas que afligem tantos portugueses, tantas famílias, tantas empresas.

A crise interpela-nos a enfrentar com determinação, audácia e espírito de serviço os enormes desafios do presente, com os olhos postos no futuro. Temos de ser portadores de esperança.

Apresentamos hoje a nossa candidatura ao Município de Almada e, com ela, um programa Eleitoral exigente e arrojado.

As cidades de hoje têm de ser palcos de conhecimento, criatividade e valores. Só assim poderão responder aos desafios de um mundo que se tornou – bem ou mal – global. A era industrial está numa nova fase e as tecnologias de informação e comunicação alteraram o quotidiano e as relações económicas, romperam barreiras geográficas e rasgaram novos espaços de liberdade.

Almada tem rio – e que espantosa vista temos dele neste local –, mar, praias, a serra aqui ao lado, floresta, terras agrícolas, património histórico, arqueológico e natural, paisagem e práticas ancestrais que têm de ser promovidos como factores de identidade local e motores de desenvolvimento.

Servir Almada. Foi este o lema com que os candidatos do CDS se apresentaram às eleições autárquicas de 2009.

Na Assembleia Municipal de Almada soubemos respeitar os nossos compromissos eleitorais. A verdade é que dois deputados municipais fizemos a diferença que partidos inteiros não conseguiram, entregues a um jogo bizarro de vassalagem à Presidente da Câmara comunista.

Fiscalizámos com mais intensidade e rigor a actividade camarária, apesar do grosseiro desrespeito pelos direitos da oposição. Tivemos o maior número de intervenções por deputado na Assembleia Municipal. Apresentámos mais projectos de deliberação e resolução sobre o concelho. Temos o maior número de requerimentos apresentados.

Almada sabe com quem pode contar.

Há quatro anos, apesar de ter obtido o melhor resultado de sempre, o logro do voto útil impediu que o CDS elegesse um vereador para o executivo. Teria feito toda a diferença. Em quatro anos, a oposição eleita – PS, PSD e BE – assegurou à CDU a maioria na Câmara que os almadenses não lhe entregaram e, com ela, a perpetuação de abusos e oportunidades perdidas.

O voto útil demonstrou mais uma vez ser uma mentira. Rapidamente mostrou ser um voto fútil. Os cidadãos de Almada não cairão outra vez na mesma armadilha.

Decidi aceitar o convite que a Concelhia de Almada do CDS me dirigiu para ser candidato a Presidente da Câmara Municipal. Sei o contexto difícil desta candidatura. Mas também sei que os almadenses reconhecerão a liberdade com que sempre me manifestei e votei, na Assembleia Municipal de Almada e na Assembleia Metropolitana de Lisboa, com fidelidade aos compromissos assumidos perante eles.
E creio poder afirmar que fui fiel aos princípios fundacionais do CDS.

Mais do que nunca, faz falta um partido personalista e com os valores que o programa do CDS incorpora. Em breve publicaremos a nossa Carta de Princípios. Os eleitores têm o direito de saber o que pensam os seus candidatos em matérias fundamentais.

Aceitei este desafio com espírito de serviço. Não estamos em condições de voltar costas à intervenção cívica num momento em que Portugal precisa do melhor que possamos dar. Nem poderia refugiar-me no conforto do tacticismo político, quando as candidaturas alternativas à CDU que já se apresentaram prometem mais do mesmo.

Almada precisa de nós.
Esta candidatura é por Almada, a minha terra.

Deixem-me agora confessar-vos algo que me passou pela cabeça quando preparávamos esta sessão. Estamos sem dúvida num espaço acolhedor. Mas gostaria de poder ter feito esta apresentação num local com uma forte carga simbólica para o CDS – as Terras da Costa.

Em primeiro lugar, pelo valor que esses solos de Reserva Agrícola têm no planeamento do território, pela memória que conservam de uma espantosa conquista do homem ao mar, pela importância que a sua elevada produtividade tem na sustentabilidade alimentar da Metrópole.

Mas, sobretudo, porque as Terras da Costa marcam a vitória da cidadania e da verdade sobre os interesses da especulação imobiliária, que agregaram PCP, PS, PSD e BE em torno de um projecto criminoso.

A Estrada Regional 377-2, que em devido tempo chamei Estrada da Vergonha, arrasaria Reserva Agrícola, Reserva Ecológica, Reserva Botânica e Paisagem Protegida em nome do assalto ao património mais rico do Concelho de Almada.

Gostaria, pois, de estar nas Terras da Costa, ao lado de agricultores e cidadãos de bem. O CDS juntou-se a eles nessa luta contra interesses poderosos. Valeu a pena o esforço, as horas gastas, as múltiplas diligências que fizemos. Se mais não fosse, só por isto teria valido a pena o nosso mandato de deputados municipais. A política faz-se assim.

Almada tem quase quatro décadas de poder comunista, só ou mal acompanhado... É claro que, a par das outras cidades ocidentais, neste tempo consolidou-se o saneamento, a rede viária, o acesso à cultura, o parque habitacional. Mas faltou visão de cidade. Faltou competência. Faltou ambição.

Houve um erro estratégico desastroso. Em sede de Plano Director Municipal, a Câmara Municipal de Almada assumiu a construção como o grande desígnio do concelho. Daí resultou o planeamento retalhado e à pato-bravo que tão bem conhecemos.

O paradigma deste modelo esgotado está à vista no Programa Polis da Costa da Caparica. Nascido como um arrependimento público pelos erros do passado, cresceu ensombrado por erros elementares de planeamento, soluções técnicas inconsistentes e descontrolo financeiro.

Esta autarquia, na ânsia dos lucros do imobiliário, tem décadas de massificação urbana e suburbanização, destruindo a paisagem e o potencial turístico da região. A Costa da Caparica é só mais uma das suas vítimas.

O espaço público é inseguro, sujo e vandalizado. Negligenciou-se o património, a paisagem e os solos protegidos. Com isto, perdeu-se memória e identidade.

Tudo ao abrigo de um aparelho de propaganda, despesas supérfluas, subsídios sem critério e burocracia, que não responde aos seus cidadãos nem permite a sua participação efectiva na vida do concelho.

A política fiscal da Câmara penaliza todos os cidadãos, ao apresentar taxas e tarifas das mais elevadas do país e ao optar por não devolver aos contribuintes os 5% de IRS que estão ao seu dispor.

Essa penalização é particularmente relevante sobre as famílias numerosas, para as quais não há qualquer política relevante.

A actividade empresarial tem decaído gravemente, dada a situação de crise no país, mas também pela falta de visão da administração local. A Câmara não só não dinamiza a actividade económica, como é frequentemente um agente de bloqueio à livre iniciativa e ao investimento.

Sectores fundamentais para a vida de Almada, como o comércio tradicional e os serviços ligados ao turismo, têm sido afectados por uma série de intervenções da Câmara movidas pela impreparação e falta de estratégia.

O Programa do CDS identifica oportunidades e quer construir um concelho melhor, que se comprometa com cada pessoa. Com os mais velhos, portadores de sabedoria. Com a família, núcleo fundamental da sociedade. Com cada cidadão, merecedor de confiança e transparência, e de uma Câmara Municipal que o trate bem.

Na gestão do serviço público, a autarquia tem de ser moderna, transparente e eficaz, sem burocracias inúteis e com impostos e taxas mais baixos, que permitam aos cidadãos e às empresas libertar-se e ter iniciativa criadora.

A informação tem de estar aberta aos cidadãos, que deverão ser envolvidos em processos efectivos de participação na tomada de decisões municipais.

O emprego depende também da existência das condições para que empreendedores e empresas invistam em Almada. A Câmara Municipal deve oferecer segurança e transparência para que os investidores actuem com confiança.

A paisagem deve ser reconhecida como primeiro património do concelho. Temos de valorizar o legado histórico, dar prioridade à agricultura urbana, criar uma rede moderna de corredores verdes e abandonar de vez a especulação imobiliária e o mau uso dos solos.

A metrópole tem de estender-se ao rio e ao mar, capital natural privilegiado para a construção do seu futuro.

O espaço público tem de ser isso mesmo, público, limpo, ordenado, acessível, seguro, livre. Para que a cidade seja acolhedora, viva, vibrante.

A rede viária precisa de ser mantida em bom estado, o metropolitano de superfície racionalizado e o plano de mobilidade revisto.

Temos condições para construir uma Metrópole de conhecimento, que assume a sofisticação cultural e a educação de qualidade internacional como motores indispensáveis da valorização pessoal.

O património cultural tem de ser regenerado. O turismo de qualidade deve fundar-se numa paisagem biologicamente valorizada e numa oferta hoteleira de elevado profissionalismo. A Marca Almada tem de ser criada e consolidada.

A concretização desta estratégia pode ser encontrada no nosso Programa Eleitoral. São 11 grandes metas, concretizadas em 278 medidas.

Permitam-me só que destaque algumas delas.

A criação de um Gabinete de Controlo Orçamental para garantir a execução dos investimentos sem derrapagens e dentro dos prazos, e com pagamentos pontuais aos fornecedores.

O Cartão Municipal para Famílias Numerosas.

A Carta de Direitos e Deveres dos Almadenses, que regulará a relação dos cidadãos com a administração municipal.

A abertura de um Centro de Atendimento ao Empreendedor, às Pequenas e Médias Empresas e à Economia Social.

A procura de um protocolo com o Centro Comercial M. Bica para reconversão das lojas vagas em gabinetes de renda controlada para novos profissionais.

A promoção nas avenidas do eixo central da cidade de Almada um Outlet Aberto, com atracção de marcas prestigiadas a custos reduzidos.

A criação de um corpo de Polícia Municipal.

O reforço do orçamento para limpeza e conservação do espaço público, assegurando uma manutenção diária e eficaz.

A criação de um Plano Municipal de Iluminação Pública.

O Gabinete Municipal para os Idosos, com vista ao reforço e à promoção de linhas de acção que incluem apoio domiciliário de higiene e alimentação, serviço de refeições completas a custo controlado, a assistência de enfermagem no domicílio e serviço de aquisição de medicamentos, assistência energética e de climatização, apoio doméstico para pequenas reparações, parcerias de voluntariado para companhia a idosos e transporte de compras, assistência jurídica e actividades profissionais e ocupacionais.

O Programa Almada a Sorrir, no âmbito da promoção de uma saúde oral adequada a toda a população carenciada do concelho.

O Programa Municipal de Prémios e Bolsas de Estudo, fomentando a cultura do estudo e o mérito.

A procura de novos polos universitários e de investigação, nas áreas de Medicina, Hotelaria e Oceanografia.

O acesso aos programas europeus que financiam actuações em matéria de transporte urbano, de forma directa e em cooperação com outras cidades europeias.

A promoção da Trafaria como vila piscatória típica.

A estratégia de qualificação turística para todo o ano e de âmbitos diversificados: lazer, cultura, desporto, aventura, gastronomia, artes tradicionais, ecologia, ciência.

Os procedimentos necessários à criação do Parque Natural da Costa da Caparica.

A rede de corredores verdes, que começarão pelos percursos Cova da Piedade – Charneca de Caparica e Cacilhas – Porto Brandão.

A introdução no concelho de funções agrárias compatíveis com a esfera urbana, hortas sociais e jardins de produção.

O estudo arqueológico e a recuperação da Torre de S. Sebastião, a mais antiga fortaleza marítima portuguesa.

Dentro das iniciativas da União Europeia, um programa dirigido a fomentar o intercâmbio de experiências artísticas entre criadores de diferentes regiões da Europa com Almada, e permitindo aos artistas almadenses completar a sua formação noutro país.

Dentro da estrutura da Câmara Municipal, complementada com os profissionais estritamente necessários, a criação de uma equipa especializada para o desenvolvimento e consolidação da Marca Almada.

A solidez financeira do Município, a poupança gerada pela racionalização dos serviços, o corte na propaganda, nos financiamentos irrelevantes e dos gastos sumptuosos, e a colaboração com o sector privado dão-nos recursos para querer e fazer mais e melhor.

Com competência e audácia, vamos mobilizar-nos para uma nova cidade, ligada à capital, mas sem subalternização, aberta ao país e ao mundo.

Almada Metropolitana. Um vibrante motor de Progresso, Liberdade e Bem-estar. Uma Metrópole que aposta nas pessoas e na construção do seu futuro. Uma ideia com que o CDS se compromete e para que desafia os cidadãos e a sua energia.

Juntos, vamos trazer Almada de volta!

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Candidatura do CDS-PP Almada no Facebook

Acompanhe-nos no Facebook através: almada.metropolitana.com

Juntos Traremos Almada de Volta


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

CDS-PP Almada Autárquicas 2013 - José Ribeiro e Castro na Costa da Caparica


CDS-PP Almada - Campanha Autárquica 2013

Hoje, dia 18, presença de José Ribeiro e Castro deputado do CDS-PP na Assembleia da República às 15:00h na Costa da Caparica, juntamente com os Candidatos à Câmara Municipal de Almada e à Junta de Freguesia da Costa da Caparica Fernando Sousa da Pena e Maria Palmira Gonçalves

Tema: A Educação no Concelho de Almada (visita às várias escolas)

À noite, Teatro Joaquim Benite, às 21:00h, debate com todos os candidatos à Câmara Municipal de Almada com a participação do nosso candidato Fernando Sousa da Pena, onde, mais uma vez, irá apresentar o Projecto do CDS-PP "Almada Metropolitana" aos almadenses.

Contamos com Todos.

Juntos Traremos Almada de Volta.

domingo, 23 de junho de 2013

Autárquicas 2013 - CDS-PP quer festejos de São João de volta ao Largo do Tribunal e Jardim do Castelo


Autárquicas 2013 - Almada  

CDS-PP quer festejos de São João de volta ao Largo do Tribunal (Antigo) e ao Jardim do Castelo

Celebra-se mais uma data do santo padroeiro de Almada, São João, santo que leva anual romaria da Igreja de Santiago (Jardim do Castelo) até à Capela da Ramalha sendo motivo para a mobilização não só de inúmeros fiéis, como outros muitos almadenses que se juntam todos os anos para celebrar o dia da cidade.

Não obstante as Marchas da Cidade que louvamos a sua realização, o CDS-PP em Almada, pugnará e promoverá o regresso das festividades dos Santos Populares nomeadamente o S.João, ao Largo do Tribunal (Antigo) e ao Jardim do Castelo como durante vários anos se realizou e que movimentou milhares de almadenses e de visitantes. 

Entende o CDS-PP que a concessão e exploração desses espaços (restauração) deverá ficar a cargo das paróquias e/ou das colectividades nomeadamente as de cariz social e humanitário, contribuindo para a ajuda social em prol dos que mais precisam divertindo ao mesmo tempo os almadenses e todos aqueles que nos visitarem.  

No âmbito ainda do dia da cidade, pugnar também, para a promoção e criação com grupos de teatro, escolas, centros de dia, colectividades, comércio e as demais forças vivas do concelho tal como toda a população que se queira juntar, para que se possa realizar uma verdadeira e única festa e feira medieval na zona de Almada velha, recriando a tomada do Castelo, contribuindo para o aprofundar da história da cidade atraindo visitantes promovendo o desenvolvimento do comércio e o pulsar das nossas gentes.

De relembrar que o sectarismo bacoco do partido comunista chumbou em Assembleia Municipal de Almada uma proposta do Grupo Municipal do CDS-PP para que fosse inaugurado no Jardim do Castelo um busto alusivo a D. Sancho I, sua alteza real que atribuiu o Foral à cidade de Almada deixando mais uma vez a nu, que há quem viva amarrado a dogmas completamente incompreensíveis colocando os interesses ideológicos à frente dos interesses de Almada.

Promover a cidade e o concelho mostrando e vivendo a sua cultura, os seus usos e costumes, muitos deles perdidos e esquecidos no tempo, o seu património material e também imaterial, é a aposta do CDS-PP para uma nova Almada virada para o turismo e lazer das populações.   

Temos Soluções.

O CDS-PP Almada 

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Autárquicas 2013 - CDS-PP em Almada aposta na Video-vigilância


O candidato do CDS-PP Fernando Pena esteve hoje na Divisão de Almada da PSP onde ficou a conhecer mais uma vez, a realidade no concelho em termos de Segurança tal como as preocupações das forças policiais em Almada.

Com o CDS-PP à frente da Câmara Municipal de Almada, a Video-vigilância será uma realidade institucionalizada no concelho e uma mais-valia para a segurança de bens, pessoas e negócios se os almadenses depositarem no CDS-PP e em Fernando Pena, a confiança necessária para que se possa fazer mais e melhor. Recorde-se que, por norma, as diversas forças policiais concordam em uníssono com a instalação de video-protecção resultando numa mais-valia no combate ao crime e à delinquência criando sobretudo, um maior clima de segurança junto das pessoas.
Zonas problemáticas como a Caparica, Costa da Caparica e centro de Almada e Almada velha, são zonas que, segundo os profissionais e entendidos na matéria, além de identificar mais facilmente os possíveis e suspeitos prevaricadores funcionaria, em larga escala, como elemento dissuasor da criminalidade tal como se tem verificado nos municípios que aderiram ao projecto de Video-vigilância. Recorde-se que em Almada, o Grupo Municipal do CDS-PP apresentou como Recomendação à Câmara Municipal de Almada que aderi-se ao projecto, mas a maioria comunista em assembleia municipal chumbou o projecto, de novo amarrada a dogmas e sectarismo ultrapassados.

Uma outra proposta de entre várias para a área da segurança no concelho é a constituição de uma Polícia Municipal com funções e atribuições por Lei devidamente definidas e que libertaria, para o CDS-PP, em larga medida, as funções das forças policiais. A este facto, acresce a complementaridade da extinção da ECALMA, tal como o fim do estacionamento pago passando a gestão do trânsito para a alçada da Polícia Municipal de Almada. Mais polícia visível nas ruas ainda que com funções e competências especificas é sempre de louvar e de apostar.

O quartel (em falta) da GNR no Monte da Caparica, a falta de iluminação, a sujidade, os grafitis e vandalismo e destruição quer do espaço público que do património histórico são para o CDS-PP, preocupações a ter em conta e que deveriam ser colmatadas e resolvidas com brevidade, sob pena de afastarmos cada vez mais, as pessoas do centro da cidade originando ainda mais insegurança e mal estar social. Uma fiscalização mais apertada e coimas bem mais duras para quem destrói e danifica o que é de todos, nomeadamente património histórico-cultural, fazem parte das medidas que o CDS-PP implementará ou fará pugnar e reclamar para que sejam implementadas e cumpridas à risca em nome de uma boa e sã convivência em comunidade.

Contudo, nem só dos meios reactivos e coercivos deve passar a resolução dos problemas de insegurança. O acompanhamento e identificação de pessoas em risco quer os que sofrem e são vitimas da criminalidade quer mesmo os que a praticam, deve ser muito mais aprofundado conjugando as mais variadas instituições e forças vivas do concelho que possam ajudar uns e outros mais concretamente, crianças, jovens e idosos.

A prevenção, a educação e mesmo a formação devem ser pilares elementares numa sociedade que se preocupa empenhadamente na construção de uma sociedade mais livre e mais justa.

Temos Soluções

O CDS-PP Almada

quarta-feira, 19 de junho de 2013

CDS-PP em Almada extinguirá parquímetros


Projecto Eleitoral Autárquicas 2013 -Almada*

CDS-PP em Almada extinguirá Parquímetros 



O CDS-PP em Almada conta no seu projecto eleitoral para as autárquicas do corrente ano, a extinção dos parquímetros e o fim do estacionamento pago, nomeadamente na Costa da Caparica, localidade onde a máquina sorvedoura de dinheiro da Câmara Municipal de Almada, a ECALMA, instalou parquímetros em várias zonas da Costa da Caparica, levando ao afastamento cada vez mais de visitantes à cidade.

Se alguém tinha dúvidas quanto às verdadeiras intenções da câmara de Almada de asfixiar por completo a Costa da Caparica, com esta medida, ficam dissipadas estando o CDS-PP na disponibilidade para tudo fazer para acabar com mais um entrave ao desenvolvimento daquele que deveria ser por excelência, um pólo aglutinador de turismo e desenvolvimento não só do concelho, como de toda a região.

A verdadeira aberração que é a colocação de estacionamento pago numa zona como a Costa da Caparica, acaba de vez, com as pretensões em termos uma cidade que atraia pessoas, turistas, investimento e desenvolvimento.
Já não bastava o indecoroso Programa Pólis que, pouco ou nada, veio transformar a localidade, e a deslocação do ex-libris Transpraia (comboio de praia) para longe do centro, temos agora uma taxa (mais uma) sobre aqueles que nos querem visitar prejudicando o comércio, visitantes e turistas.

O poder comunista em Almada não perdoa o facto, de os costa caparicanos nunca terem lhe dado a confiança para governar a freguesia que, contudo, já esteve nas mãos do CDS-PP e que com certeza, este ano os habitantes depositarão de novo no CDS-PP, aquela confiança necessária para uma transformação profunda que traga novamente vivacidade e desenvolvimento sustentado à Costa da Caparica.

Defendemos deste modo, uma Costa da Caparica que possa rivalizar com as maiores estâncias balneares e turísticas da Europa com uma digna promoção do lazer e diversão nocturna, promovendo ao mesmo tempo o emprego, a paisagem, a defesa das Terras da Costa e a agricultura, as pescas nomeadamente a Arte Xávega, tradição enraizada na Costa da Caparica pelos pescadores locais, a sua história e os seus costumes (esquecidos) tal como a reconversão total do Programa Pólis que vá ao verdadeiro encontro das necessidades da cidade, do concelho, da região e promova o país além fronteiras.

Temos Soluções. Confie no CDS-PP

* Projecto eleitoral na integra será apresentado em breve

terça-feira, 11 de junho de 2013

Almada Autárquicas 2013 - Apostamos em Fernando Pena



CDS-PP Almada - Autárquicas 2013

Comunicado


Estimados Militantes, Almadenses e Simpatizantes do CDS-PP

Como já é do vosso conhecimento, a concelhia do CDS-PP Almada e a sua Comissão de Coordenação Autárquica deliberou por unanimidade a escolha do Prof. Fernando Pena para candidato pelo CDS-PP às eleições autárquicas deste ano numa aposta verdadeiramente vencedora e que se apresentará ao eleitorado com as melhores propostas para o desenvolvimento e prosperidade para o concelho de Almada.

O trabalho do mesmo em prol do concelho é do conhecimento público, tal como é reconhecida a sua luta e empenho em causas como a denúncia do despesista e desordenado Programa Pólis da Costa da Caparica, as Terras da Costa ou o Vale da Sobreda, tal como a extinção da ECALMA - passando os operacionais para agentes da Polícia Municipal - entre outras que têm pautado a sua conduta e frontalidade enquanto deputado municipal.

Com esta candidatura pretendemos mais uma vez, além de denunciar as más condutas, a falta desenvolvimento do concelho, as atrocidades cometidas ao longo de anos pelo executivo comunista muitas das vezes com a cumplicidade e a passividade da Oposição que acaba por ser tão -ir-responsável como o executivo, denunciar as faltas de respeito e de consideração pouco democráticas que o executivo tem para com os munícipes nomeadamente quando cria entraves ao acesso à informação que é um Direito por Lei que lhes assiste, pretendemos também à semelhança de 2009, apresentar um Programa Eleitoral que se paute pela defesa das famílias, dos mais vulneráveis tal como as crianças, os idosos, os pobres e os mais desfavorecidos do concelho, pela aposta numa verdadeira política social direccionada para as pessoas, o desenvolvimento do tecido empresarial, dinamização e atracção de investimento e tecnologias para o concelho apostando nas empresas libertando as mesmas das enormes taxas fiscais, aposta no desenvolvimento e promoção de um verdadeiro comércio moderno e apelativo, maior segurança e protecção -videovigilância- tal como na promoção turística, histórica e cultural do concelho promovendo o seu património material e imaterial tão abandonado e esquecido por um executivo comunista sectário, demagogo e hipócrita.

O CDS-PP, apresenta-se assim, além das suas listas a todas as freguesias agregadas do concelho e à Assembleia Municipal, uma candidatura à Câmara Municipal Almada com uma vontade e empenho de fazer mais, diferente e, sobretudo, fazer melhor, com propostas e ideias inovadoras para a cidade, sem demagogias, sem dogmas e com a frontalidade que sempre nos caracterizou apelando desde já, à confiança dos almadenses para que possamos dar um verdadeiro rumo a Almada tornando o concelho numa cidade moderna e atractiva.

A Confiança no CDS-PP em Almada e em Fernando Pena, é um estímulo, inequívoco, à mudança onde apelamos veemente, para que os almadenses não se deixem enganar pela chamado "Voto Útil", que, na prática, mais não resulta que num perfeito voto Inútil, como se constatou, nomeadamente, em 2009 onde a continuidade das forças políticas com representatividade na vereação em Almada em nada alteram as más políticas dos comunistas. A confiança depositada no CDS-PP e em Fernando Pena é, sem dúvida, sinónimo de mudança e prosperidade.

Assim sendo, mais uma vez, apelamos a todos para que possam deixar no email: cdsppalmada.comissaoautarquica@gmail.com todas as propostas, sugestões, ideias, criticas, denúncias e pontos de vistas que queiram partilhar com a Candidatura, afim de serem analisadas e tidas em conta no Projecto eleitoral do CDS-PP para as autárquicas em Almada.

Aqui nos apresentamos de novo, com Frontalidade, Honestidade e Trabalho realizado e para executar em prol de Almada

Contem connosco, contamos convosco.

António Pedro Maco
Presidente CDS-PP Almada

terça-feira, 4 de junho de 2013

Fernando Pena (Re)candidato em Almada


Fernando Sousa da Pena é o candidato do CDS-PP à Câmara Municipal de Almada às eleições autárquicas de 2013.

O mesmo é actualmente deputado municipal do CDS-PP na Assembleia Municipal de Almada e a sua conduta no exercício das mesmas funções tem-se pautado pela frontalidade e coerência com que aborda as questões relacionadas com a política local em Almada. 

Das suas lutas enquanto deputado municipal destacam-se tal como o seu Grupo Municipal, a verticalidade contra o despesista Programa Pólis da Costa da Caparica, a defesa inequívoca das Terras da Costa (Costa da Caparica) o abandonado Vale da Sobreda na Sobreda da Caparica para dar exemplos, fazem de Fernando Pena uma aposta de peso e de valor que dignificará as qualidades, a união e o trabalho do CDS-PP quer em Almada quer no próprio distrito de Setúbal.

Uma candidatura e uma aposta de Confiança, Livre e Frontal.

Os Almadenses podem confiar! 


O CDS-PP Almada  

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Candidato do CDS-PP à Câmara Municipal de Almada




E em Almada o Candidato do CDS-PP à Câmara Municipal de Almada é: (Divulgado o nome amanha)

quarta-feira, 20 de março de 2013

António Pedro Maco (re)candidato à CPC do CDS-PP Almada em lista única


Eleições para a CPC Almada do CDS-PP *

Lista A (lista única) 

Candidato a Presidente - António Pedro Maco

Mais uma vez, aqui estamos para nos apresentarmos aos militantes da concelhia de Almada do CDS-PP para dar continuidade a um projecto com ideias e valores começado em 2009. 

É com a coragem, determinação e empenho em fazer ainda mais e muito melhor que esta equipa encabeçada por António Pedro Maco, se recandidata à Comissão Política Concelhia do CDS-PP Almada provando, de novo, a sua vontade de ir mais além e de fazer ainda melhor colocando o CDS-PP e a Democracia Cristã, como uma verdadeira alternativa ao poder de esquerda que há quase 40 anos (des)governa o concelho de Almada.

Na continuidade deste projecto tivemos o cuidado de renovar a equipa directiva com pessoas capazes e com provas dadas fortalecendo os laços de companheirismo, de espírito de grupo e de missão tendo a entre-ajuda, como factor preponderante para um trabalho proveitoso onde todos têm oportunidade de colaborar.
Apostamos e valorizamos a dicotomia experiência e vigor numa conjugação de esforços ímpar num projecto que se quer de todos e para todos.
Só com um partido unido poderemos alcançar os objectivos pretendidos em Almada

Queremos um CDS-PP forte, arrojado, empreendedor, corajoso, e com ideias modernas que possam criar um novo modo de olhar e fazer política para e com as pessoas, neste iniciar de um novo século pautado pela rapidez e massificação da Informação tal como o regresso das pessoas à Política. É com esses desafios em mente que nos apresentamos com uma equipa empenhada em enfrentar esses mesmos desafios e obstáculos que muito têm caracterizado um concelho onde o poderio comunista domina, muitas das vezes, com a passividade e benevolência da restante oposição gasta e amorfa de ideias e cheia de vícios.

Deste modo, é sabido que, ainda mais em ano de eleições autárquicas, enfrentamos um enorme desafio onde o CDS-PP pretende alcançar o melhor resultado possível solidificando a sua posição e imagem construída ao longos destes últimos anos; Almada precisa de um CDS-PP forte e com ideias.
Desafio autárquico, que tem vindo a ser trabalhado há já mais de um ano, dia após dia, junto das pessoas no conhecimento da realidade do concelho com a finalidade de apresentar as melhores propostas consistentes com as necessidades e as verdadeiras realidades do concelho. Estamos certos que o nosso trabalho colherá frutos.

Contudo, é preciso ter consciência que o caminho não é fácil; e que à máquina propagandista e instalada do poder em Almada das forças políticas que condicionam as tomadas de decisão para o concelho, não deixa muita margem de manobra para erros. Assim sendo, só com disciplina, rigor e verdadeiro empenho, espírito de grupo e de missão aos valores do CDS-PP, podemos colmatar as variadas adversidades a que um verdadeiro partido da Direita democrática deverá estar à altura sabendo responder com mais ideias e com melhores alternativas.
Só prometemos trabalho e dedicação para honrar os nossos compromissos não havendo espaço para ideias pré-concebidas ou estereotipadas e muito menos, euforias desmedidas sem nexo e condenadas à priori.
Também não nos resignamos ou subjugamos sabendo carregar o estandarte e os valores que o CDS-PP transmite desde a sua fundação como um partido democrático e livre e pluralista. Faremos o nosso caminho alicerçado nesses mesmos valores com ambição e com sentido de um dever -sempre- por cumprir honrando um passado, uma história.
A titulo de exemplo, nestas eleições autárquicas, o CDS-PP em Almada, apresentará os seus próprios candidatos com o seu próprio programa coligando-se apenas e só, com todos os almadenses que livre e conscientemente acreditarem neste mesmo projecto.

Para estes dois anos de mandato entre as demais devemos cumprir:

- o aumento de militantes na concelhia atraindo mais pessoas, mais ideias, em suma, melhor partido

- dar continuidade, e, se possível, aumentar as Formações Políticas e Autárquicas dirigidas a militantes e autarcas valorizando a formação e conhecimento das pessoas

- dar continuidade aos eventos característicos da concelhia de Almada tais como: a Comemoração do 1º de Maio (institucionalizada pelo presidente do partido em 2010, este ano com uma importância acrescida devido ao arranque da pré-campanha autárquica), o "Conversas à beira-mar" (evento a realizar no verão num ambiente intimista e descontraído) o Seminário Anual do CDS-PP Almada (este ano IV Edição) e a Ceia de Natal do CDS-PP Almada, tal como as várias Tertúlias a realizar durante o decorrer do mandato sobre variados temas e que muito contribuem e enriquecem a discussão no seio do partido

- dar continuidade às reuniões ordinárias e extraordinárias da direcção da CPC Almada abertas a militantes da concelhia promovendo a participação e colaboração dos militantes

- dar continuidade e reforçar visitas, reuniões e trabalho de terreno junto de instituições e restantes munícipes

- dar continuidade e acompanhar, discutir e apresentar alternativas a projectos para o concelho de Almada entre eles: o Pólis da Costa da Caparica, o Terminal de contentores da Trafaria, o Arco Ribeirinho Sul, as ARU´s e restante reabilitação urbana, o PUAP, o Vale da Sobreda, a Fonte da Telha, as Terras da Costa, a Mobilidade no concelho, as Pescas, o Turismo, a Segurança, a Política Social, o Património Histórico (material e imaterial), o Urbanismo e Ordenamento Local, a Educação e Tempos Livres, a Cultura (Verdadeira e para Todos) e sobretudo, a genuína abertura democrática e pluralista para uma verdadeira participação cívica e política dos vários agentes e actores do concelho de Almada

- focalizar o trabalho concelhio nos diversos Pelouros, Grupos de Trabalho e Comissões criados para uma maior colaboração de militantes

- dar continuidade e reforçar a Colaboração, Cooperação e Coordenação com a Comissão Coordenação Autárquica da concelhia visando uma maior e profícua eficiência e eficácia na condução da política autárquica do CDS-PP para o concelho de Almada

- dar continuidade à receptividade e abertura às ideias, propostas, sugestões e criticas quando fomentadas e numa lógica construtiva, por parte dos militantes da concelhia enriquecendo o projecto do CDS-PP Almada

- dar continuidade e reforçar a Colaboração, Cooperação e Coordenação com o Grupo Municipal e demais autarcas do CDS-PP em Almada fomentando a organização e um trabalho que se pretende profícuo e sólido

- dar continuidade e reforçar a Colaboração, Cooperação e Coordenação com a Distrital de Setúbal do CDS-PP e com as restantes concelhias do distrito numa lógica de criação de sinergias e conjugação de esforços numa verdadeira voz do partido

- dar continuidade e reforçar a Colaboração, Cooperação e Coordenação com o Grupo Parlamentar na AR, com a Secretaria-Geral do partido, com a Comissão de Coordenação Autárquica Nacional tal como com o presidente do partido, sem prejuízo da autonomia da concelhia, como também o intercâmbio e confraternização entre as várias concelhias espalhadas pelo país

- dar continuidade e reforçar a Colaboração, Cooperação e Coordenação com as estruturas da Juventude Popular de Almada tal como da Distrital de Setúbal da JP

- dar continuidade e reforçar a apresentação de propostas alternativas, ideias e sugestões e mesmo criticas construtivas e fomentadas, ao nível interno aos variados órgãos do CDS-PP valorizando as estruturas concelhias e o trabalho dos militantes

- dar continuidade e reforçar a imagem do partido em Almada na Comunicação Social através de Comunicados, Notas de Imprensa, Entrevistas, ou tomadas de posição atempadas e oportunas quando assim se justifique

- dar continuidade e reforçar a utilização das novas tecnologias e plataformas online para a transmissão das propostas, ideias, projectos e valores do CDS-PP entre elas: Twitter, Tumblr, Blog concelhio, Site concelhio (em construção), Facebook, LinkedIn, Instagram, Boletim concelhio Online entre outras, na tentativa de chegar ao maior número de militantes e munícipes

Em suma, pretendemos solidificar a posição e imagem do CDS-PP em Almada numa perspectiva de confiança mútua com os militantes e os almadenses para a criação de uma verdadeira alternativa na realização de novos desafios criando esperanças num concelho que tem tudo, mas que há muito está por cumprir.

Só prometemos responsabilidade, empenho, dedicação e trabalho.

Apelamos à mobilização e ao voto na Lista A (lista única) no dia 23 de Março, próximo sábado, para se cumprir Almada.

Saudações Populares

A LISTA A encabeçada por António Pedro Maco




Comissão Política Concelhia

Presidente – António Pedro Rodrigues do Livramento Maco
Vice-Presidente – Paulo Jorge Tavares Carreiro
Secretário – Carla Sofia Andrade da Costa
Vogal – Carlos Alberto Antunes Rodrigues
Vogal - Ana Raquel Paradella Lopes
Vogal – Davide Alexandre Sousa Lourenço
Vogal – Carlos Manuel de Sousa Barbosa


Mesa da Assembleia Concelhia

Presidente - Artur Agostinho M. Graça Fernandes
Vice-Presidente - Luís Filipe Delgado
Secretário – Paulo Daniel Rodrigues Morais


* este espaço oficial da exclusividade do CDS-PP Almada pode ser usado para  propaganda e transmissão de informação e ideias das candidaturas apresentadas à concelhia do CDS-PP em Almada. Neste caso, apenas uma candidatura deu entrada, Lista A, pelo que apenas se publica informação exclusiva da mesma.

terça-feira, 5 de março de 2013

CDS-PP Almada reuniu com o Sindicato dos Trabalhadores da Pesca do Sul - Delegação da Costa da Caparica





A Comissão de Coordenação Autárquica do CDS-PP Almada juntamente com o Pelouro de Ambiente, Agricultura e Pescas da mesma concelhia estiveram hoje reunidos durante várias horas com o Sindicato dos Trabalhadores da Pesca do Sul na Costa da Caparica onde se fez o ponto da situação, não só, da pesca no concelho e na região, como também as preocupações e alternativas necessárias para que o Turismo seja usada como uma alavanca impulsionadora para a continuidade da arte.

Continuamos a ter na Costa da Caparica, um vasto conjunto de famílias que vivem e sobrevivem do mar e das actividades que o mar pode contribuir.
As maiores preocupações demonstradas pelo sindicato recaem, sobretudo, na tentativa de salvaguarda e apoio da Arte Xávega quer como meio de subsistência de quem vive do mar, mas também, como uma imagem de marca e atracção turística nomeadamente nas frentes de praia urbanas fazendo valer os seus usos e costumes, mas que, hoje em dia, por imposição da lei, foram deslocadas mais para sul prejudicando a sua continuidade e promoção turística da Costa da Caparica.

Do mesmo leque de propostas e preocupações demonstradas constam a necessidade de um verdadeiro, condigno e seguro porto de abrigo para a Costa da Caparica, a possibilidade (legalização) de Pesca do Corricão, peixe tradicionalmente pescado pelos pescadores da localidade, e que permitiria compensar em certa medida, sobretudo na pequena pesca, as contrariedades que o mar causa no inverno com clima adverso resultando nas perdas e dificuldades financeiras que acarreta para as famílias dos pescadores.

A questão do gasóleo agrícola mais perto das zonas de pesca, a diminuição da contribuição para a Segurança Social para compensar outros gastos inerentes e indispensáveis a actividade, as melhorias nas infraestruturas das lotas retirando mais e melhor rentabilidade e a regulamentação da amêijoa japonica, são também preocupações deixadas pelos pescadores que deixaram o CDS-PP sensibilizado e, como já em outras situações, irá transmitir junto da tutela na tentativa de minimizar as dificuldades que o sector atravessa potenciando, não só, as pescas, mas toda a industria e economia que das mesmas estão dependentes e derivadas.

Entende assim o CDS-PP Almada, e indo de encontro ao que preconiza o mesmo sindicato, a Costa da Caparica, enquanto modelo de cidade e concelho desenvolvido de Almada, não pode desleixar nem esquecer as suas actividades piscatórias, a sua agricultura e o potencial turístico subaproveitado.

É imperativo que se reveja e se pense uma nova reorganização e desenvolvimento da Costa da Caparica, como um verdadeiro polo de atracção e promoção turística onde os seus produtos, recursos humanos, materiais adequados e recursos naturais, sejam usados estrategicamente para a realização e concretização de actividades lucrativas para a cidade da Costa da Caparica e para o concelho.

O CDS-PP, além de algumas propostas já conhecidas, irá apostar no seu projecto eleitoral para a Costa da Caparica a apresentar em breve, um conjunto de medidas para a fomentação, atracção e fixação de pessoas e equipamento que possa fazer da cidade e do concelho de Almada uma grande aposta no desenvolvimento sustentável não só para Almada, mas para toda a região de Setúbal e da grande Lisboa numa óptica do "Exportar cá dentro".

No mesmo rol de visitas estão já agendadas visitas às lotas na Costa da Caparica e Fonte da Telha entre outras, dando continuidade às visitas que têm sido realizadas.

O Pelouro do Ambiente, Agricultura e Pescas do CDS-PP Almada

domingo, 3 de março de 2013

O Bairro e a sua comunidade - Artigo de Opinião por Hugo Marques


Hoje em dia quando falamos de bairros lembramo-nos de imediato dos bairros sociais, muitas vezes agregados a problemas que lhes dão, de uma forma injusta, má fama. Porém, esquecemo-nos que no centro das próprias cidades existem vários bairros que constituíram, e alguns ainda constituem, a agregação de pessoas, preservando a identidade da cidade, e criando aquilo que nós, no nosso senso comum, chamamos de comunidade.


Hunter dizia que “Pensar no bairro ou na comunidade isolados da cidade é desprezar o maior facto sobre os bairros/comunidades.” Esse factor é que os bairros, como as cidades, também têm vários estágios de vida: nascimento, expansão, declínio e renascimento e devem apresentar quatro funções principais: função económica, função administrativa e de controlo, função política e função de socialização. Mas afinal qual a diferença entre bairro e comunidade? Segundo Barton, o bairro é “(…) uma área residencial ou mista onde as pessoas podem convenientemente andar. A escala é gerada pelo acesso pedestre e é essencial uma construção espacial. Pode ter ou não limites bem definidos. Não está necessariamente centrado em infra-estruturas locais mas tem uma identidade que as pessoas reconhecem e valorizam.”; enquanto que a comunidade é “(…) um termo social que não implica um local. É uma rede de pessoas com interesses comuns e com a expectativa de mútuo reconhecimento, apoio e amizade.” Porém existe quem ache que este tipo de estudos sobre os bairros e a tentativa de os cruzar com os das comunidades veio complicar o seu conceito devido a:
·       -  Identificação do bairro como “contentor” dos laços de comunidade assume um papel de poder na organização do espaço que pode incentivar alguns relacionamentos que não são obrigatoriamente laços comunitários;
·         - Mesmo existindo relacionamento locais isso não quereria dizer que existam bairros diferentes, podendo haver até sobreposição de conjuntos de relação local;
·         - Os estudos sobre os bairros podem omitir as principais esferas de interacção, visto que existem laços sociais importantes fora do bairro, como por exemplo os laborais, enquanto os vizinhos “desaparecem de manhã e só reaparecem no fim do dia.”
·         - O foco no bairro pode dar uma importância indevida às suas características sociais.

Como se pode constatar não é difícil definir o que é o bairro mas sim a sua comunidade devido aos hábitos e gostos de cada um. Porém, nada implica de se construir os bairros tendo em vista as comunidades sustentáveis que são definidas pelo “Plano para as Comunidades Sustentáveis (ODPM,2003)” como “(…) lugares onde as pessoas querem viver e trabalhar agora e no futuro. Elas respondem às diversas necessidades dos residentes actuais e futuras, são sensíveis ao Ambiente e contribuem para uma melhor qualidade de vida. As CS são seguras e inclusivas, bem planeadas e oferecem oportunidade e bons serviços para todos.” Este é um tema que irei abordar na próxima publicação.

Por Hugo Marques coordenador do Pelouro de Urbanismo e Ordenamento Local do CDS-PP Almada

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Esclarecimento - Terminal de Contentores da Trafaria


À atenção dos militantes e munícipes de Almada 

Terminal de Contentores na Trafaria

Está a passar nos órgão de comunicação social que todos os partidos representados na Assembleia Municipal de Almada estiveram hoje na dita concentração de última hora promovida pela Câmara Municipal de Almada na Trafaria, e que na mesma concentração foi aprovada por unanimidade uma moção contra a transferência do mesmo terminal para a Trafaria.

Posto isto, convém esclarecer que o CDS-PP não só, não esteve presente na mesma concentração (esteve sim, a trabalhar no projecto autárquico na sua sede) e nem a dita, tem legitimidade para aprovar moções sejam de que âmbito forem pelos simples facto daquele órgão não existir. 

Mais uma vez, a CMA tenta manipular a realidade com manobras fantasiosas de verdadeiro rancor a tudo o que vem do poder central. 

O CDS-PP mais uma vez afirma, que não entra em hipocrisias nem discursos demagógicos só porque se está à beira de eleições autárquicas para ficar bem aos olhos do eleitorado. Já o aconteceu nas Terras da Costa onde contra tudo e contra todos tomamos uma posição totalmente em defesa das mesmas ao contrário das restantes forças políticas representadas em Almada.

Assim sendo, o CDS-PP em Almada não tomará qualquer posição oficial sobre o assunto em questão sem antes conhecer, analisar e discutir, seriamente, os prós e contras, o impacto ambiental na localidade e na região, as contrapartidas e os benefícios e os prejuízos ou dividendos que o projecto possa trazer para o concelho e, ai sim, tomaremos uma posição oficial tendo em conta a apreciação que for feita. 

O CDS-PP em Almada está longe de alinhar no politicamente correcto só porque se está em ano de eleições 

O CDS-PP Almada

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

2ª Comissão Educação e Desenvolvimento Social

Decorreu ontem a Comissão de Educação e Desenvolvimento da Assembleia Municipal de Almada (AMA) onde o CDS-PP esteve representado pelo líder da bancada municipal António Pedro Maco, onde foram discutidas as questões no âmbito da respectiva Comissão.

Lamenta-se, entre outras discussões e conclusões que saíram da mesma, que tem havido um aumento significativo da procura por parte de famílias de bens alimentares, mas que as instituições de cariz social onde se incluem as paróquias, têm sabido responder com firmeza e com prontidão a todas situações de emergência social.

Nessa mesma ajuda muito tem beneficiado o enorme investimento que o governo nomeadamente o Ministério da Solidariedade e Segurança Social sob a tutela do Ministro Pedro Mota Soares, para colmatar essas dificuldades que muitas famílias vêm atravessando devido ao enorme esforço que os portugueses têm feito em conjunto para superar uma crise criada também por uma obscura especulação internacional, mas, sobretudo, pela má governação do Partido Socialista durante os anos em que esteve no poder.
A transferência de verbas para as diversas instituições onde se destaca a aquisição de material e utensílios de apoio às funções necessárias ao seu cumprimento social, tal como a compra de carrinhas para deslocação de víveres e transporte de crianças e idosos, tem sido uma determinante aposta do respectivo ministério no concelho de Almada, ao qual o CDS-PP e toda a comunidade local devem reconhecer. Na mesma matéria, o vereador da pasta, informou aos presentes que a Câmara Municipal de Almada dentro das suas possibilidades, está a fazer o seu melhor. O CDS-PP estará atento.
Mais se ficou a saber, e segundo o mesmo vereador, que apesar da proposta do CDS-PP Almada em plena AMA para que as cantinas e refeitórios das escolas sob a tutela da CMA pudessem manter as portas abertas durantes os períodos escolares para que as crianças carênciadas do concelho pudessem continuar a ter uma refeição condigna ter sido chumbada pelo partido comunista, as mesmas devido aos tempos livres (ATL), mantêm as portas abertas para minimizar essas carência urgentes. Menos mal.

O Vereador responsável informou todos os presentes que, efectivamente, não se tem verificado um grande aumento de crianças carenciadas nas escolas ou subnutridas, excepção a casos pontuais, o que deixa o CDS-PP bastante satisfeito com a situação e quando assim é, deve-se louvar todos aqueles que intervêm no respectivo processo de auxilio desde a CMA, o governo e instituições onde se destacam o Banco Alimentar Contra a Fome e as várias paróquias, que com um enorme esforço e dedicação devem deixar de lado a propaganda e ter em conta apenas a responsabilidade social.

Reconheceu-se também, que falta uma biblioteca na Costa da Caparica e Charneca da Caparica, tal como a necessidade de atracção dos agentes privados nomeadamente ginásios, para a área do Desporto tendo em conta uma política de saúde e bem-estar.
Foi reconhecimento ainda a necessidade de existência de um "Espaço Ágora" no concelho para usufruto nomeadamente de estudantes que possa funcionar 24 horas (proposta aliás, já apresentada pelo CDS-PP Almada, tal como a proposta de um "Balneário Social" para os sem-abrigo e carenciados do concelho), e a prioridade para o reforço para o Projecto "Dar de Volta" de reutilização de manuais escolares. O CDS-PP alertou ainda para a necessidade de uma renovação dos documentos (livros, manuais de estudo, audiovisual e os demais) das bibliotecas municipais que em muitos dos casos se mantêm já desactualização.

No respeitante aos Mega-Agrupamentos a Comissão entendeu por unanimidade reunir com os representantes das escolas em questão, tal como com as associações de pais do concelho para que se possam auscultar as diversas sensibilidades em presença pois, pelos vistos, há discordâncias com o mapa proposto pelo governo.